História Santa Helena e a Veneração a Santa Cruz | Praia de Santa Cruz
Torres Vedras - Portugal
     
   
  Como Chegar  
  Região do Oeste  
  Torres Vedras  
  As Freguesias  
   
  A Costa e o Litoral  
  As Praias  
   
  Passeios  
  Desporto  
   
  História e Estórias  
  O Património  
  A Etnografia  
  A Gastronomia  
  A Religião  
  Galeria de Notáveis  
   
  A Visitar  
  Eventos Culturais  
  Eventos Desportivos  
  Eventos Populares  
  Album de Fotografias  
  Galeria de Arte  
  Associações/Colectividades  
   
  Onde Dormir  
  Onde Comer  
  Onde Comprar: Artigos  
  Onde Comprar: Serviços  
  Biz - Empresas & Negócios  
   
  Mapas  
  Telefones Úteis  
  Previsão das Marés  
  Estado do Tempo  
     
     

 

 

 

Cultura & Etnografia - História e Estórias - Santa Helena

Santa Cruz: Santa Helena e a Veneração a Santa Cruz

A veneração a Santa Cruz remonta ao ano de 292, quando a imperatriz Helena, esposa de Constâncio Cloro, perseguida pela obsessão de encontrar a Cruz de Cristo, pediu ao imperador autorização para demolir o templo dedicado a um dos deuses do império romano, construído no monte Calvário, uma vez que estava convicta de encontrar a relíquia debaixo do grande templo.

Conseguida a autorização, mobilizou muitos obreiros, tendo encontrado os escombros do templo não uma, mas três cruzes, deduzindo que uma deveria corresponder a Cristo e as outras a cada um dos ladrões, com as quais haviam sido crucificados.

Como saber qual das cruzes seria a de Jesus? Diz-nos a lenda que Helena ordenou que trouxessem perante si um defunto, que encontrara prestes a ser sepultado, sobre o qual foram colocando cada uma das cruzes. Ao tocar uma delas, o defunto recuperou a vida. A dúvida havia-se dissipado: esta era a cruz em que morreu o Redentor do mundo. Por esta razão a imperatriz Helena foi canonizada, e se venera como Sanata Helena da Cruz (ou Santa Cruz).

Com a morte de Constâncio Cloro, foi proclamado imperador seu filho Constantino, que tomou a Cruz como símbolo protector, o qual a levaria em todas as batalhas. A mesma Cruz que seria colocada na sua coroa.

Já no século VII, no império romano do oriente, no ano de 611, o rei persa Cosroes II levou a cabo as conquistas das províncias bizantinas orientais, com um poderoso exército, arrasando a Síria e Jerusalém, que viria a cair nas suas mãos no ano de 614.

A Igreja do Santo Sepulcro, erigida por Constatino, seria saqueada e incendiada pelos invasores, levando consigo, entre tantas relíquias, a Santa Cruz. Esta seria recuperada pelo imperador Heraclio, que pessoalmente a conduziria a Jerusalém, a 21 de Marlo de 630, segundo o relato do historiador arménio Sebeos "História do Império Heraclio". A sua festa teria lugar a 3 de Maio, desconhecendo-se, porém, a razão desta data.

A devoção a Santa Cruz construir-se-ia entre os séculos II e VII, estendendo-se a todo o mundo cristão. Também aqui chegaria alguns séculos mais tarde, talvez na centúria de Quatrocentos. Porque também aqui se erguia um singelo templo, de invocação a Santa Helena, a mesma que emprestaria o seu nome à aldeia, num sinal de humildade, testemunhando uma vez mais, as qualidades demonstradas em vida.

 

 

 

Texto: Carlos Guardado da Silva
Fotografias: Artur Henriques & Arquivo da Biblioteca Municipal de Torres Vedras
Publicado em: 2-Fev-2006

Para obter mais informações envie-nos um email

 

 
     
   
   
  Veneração Sta Helena  
  Ermida Sta Helena  
  A Imagem a Santa Helena  
  Santa Cruz de Ribamar  
  Um Lugar Encantado  
  Desenvolvimento Urbano  
  Destino de Veraneio  
  Vivência Estância Balnear  
  Massificação do Turismo  
   
  O Porto de St Denis  
   
  As Invasões Francesas  
  Igreja Nossa Sra da Luz  
   
  Convento NSra Assunção  
     

 

Copyright © 2005-06 Belenus, Lda