As Invasões Francesas A dos Cunhados | Praia de Santa Cruz | História
Torres Vedras - Portugal
     
   
  Como Chegar  
  Região do Oeste  
  Torres Vedras  
  As Freguesias  
   
  A Costa e o Litoral  
  As Praias  
   
  Passeios  
  Desporto  
   
  História e Estórias  
  O Património  
  A Etnografia  
  A Gastronomia  
  A Religião  
  Galeria de Notáveis  
   
  A Visitar  
  Eventos Culturais  
  Eventos Desportivos  
  Eventos Populares  
  Album de Fotografias  
  Galeria de Arte  
  Associações/Colectividades  
   
  Onde Dormir  
  Onde Comer  
  Onde Comprar: Artigos  
  Onde Comprar: Serviços  
  Biz - Empresas & Negócios  
   
  Mapas  
  Telefones Úteis  
  Previsão das Marés  
  Estado do Tempo  
     
     

 

 

 

Cultura & Etnografia - História e Estórias - As Invasões Francesas

As Invasões Francesas (1807-1811)

O Enquadramento Político

A alteração do quadro político de Oitocentos precipita-se com as "Invasões Francesas". Apesar de se tratar de um evento algo extrínseco, os abalos por ele produzidos acabarão por despertar o «nacionalismo português» e dinamizar a tendência liberal, acentuando, simultaneamente, a crise das estruturas modernas.

Com efeito, a diplomacia portuguesa mostrara, sobretudo desde 1792, a sua incapacidade em conjugar a multissecular aliança luso-britânica com as pressões francesas: Portugal fora obrigado a ceder face a Espanha no caso de Olivença, vira os simpatizantes dos interesses francos tomarem o poder a partir de 1801 e deparara-se, desde 1805, na iminência de uma invasão por parte das forças de Napoleão. Em 1806, este governante impunha a Portugal o Bloqueio Continental (encerramento dos portos portugueses à navegação britânica, declaração de guerra à Grã-Bretanha até 1 de Setembro e confiscação dos bens dos súbditos ingleses em Portugal) e, aos primeiros sinais da proximidade da guerra, a Corte transferia-se, em 1807, para o Brasil. A chegada a Portugal do general francês Junot, ainda em Novembro de 1807, e a dissolução do Conselho da Regência, em Fevereiro do ano seguinte, com o domínio francês das instituições da administração central e as pesadas cargas fiscais impostas ao povo e às instituições eclesiais, fazem estalar os movimentos de revolta, apoiados pelos contigentes militares ingleses. É neste quadro que acontecem as diversas invasões e têm lugar os derradeiros combates entre as forças napoleónicas e os efectivos anglo-lusos, que conduziriam à expulsão definitiva do invasor em 1811.

Os Contingentes Militares no Concelho de Torres Vedras

Decerto que os ecos destes acontecimentos não teriam chegado tão rapidamente a A dos Cunhados, não fora a sua inclusão numa área estratégica de defesa dos acessos a Lisboa e as movimentações das forças anglo-portuguesas e francesas aí registadas por ocasião da primeira invasão, que culminariam com a célebre batalha do Vimeiro.

Os primeiros efeitos da nova conjuntura faziam-se sentir logo em 1808, após a instalação dos contingentes militares franceses em Torres Vedras, atestada desde Dezembro do ano anterior. Além das naturais movimentações das forças invasoras ao longo de toda a região, não isentas de violências sobre os casais e povoações mais próximos das vias de comunicação existentes, os sinais da presença dos contingentes napoleónicos em Torres Vedras traduziram-se em pesados encargos sobre as populações da vila e do respectivo termo.

Com efeito, as forças invasoras decretaram, nesta data, a recolha de toda a prata existente nas igrejas da região, encarregando de tal tarefa o corregedor da comarca José da Cunha Fialho e nomeando como tesoureiro um certo comerciante chamado Arsénio Francisco de Carvalho. Pelo testemunho de Monsenhor Fialho, sabemos que tal encargo recaiu também sobre a igreja de A dos Cunhados, pois refere que sendo pároco de A dos Cunhados na altura da invasão francesa o Dr. Joaquim da Rosa Coutinho (1808-1812), foi determinado superiormente que, «para evitar roubos, [...] toda a prata e ouro desta freguesia fossem transportados para Torres Vedras, ficando apenas o necessário para o culto divino», tendo sido entregues, a 29 de Março de 1808 «a Arcenio Francisco de Carvalho quarenta arrateis e oito onças de prata e ouro». As imposições sobre as populações estenderam-se igualmente a derramas sobre os comerciantes, orçadas, para o concelho de Torres Vedras, em 3.000$000 réis. Deste valor, A dos Cunhados viu-se obrigada a contribuir com 12$000 réis e os lugares da Póvoa e Maceira com 12$800 réis. Embora comparativamente com outras freguesias e lugares do concelho, estes valores fossem relativamente baixos, não deixariam de constituir um pesado ónus para uma das freguesias mais pobres, isoladas da região.

continua ...


 

Texto: Maria Natália da Silva - João Luís Inglês Fontes
Fotografias: APM
Publicado em 18-Mai-2007
Actualizado em

Para obter mais informações contacte-nos

 

 
Painel Alusivo à Batalha do Vimeiro em Casal Batalha, A dos Cunhados
     
   
   
  Igreja da Santa Cruz  
  Capela de Santa Helena  
  Ruínas do Convento Velho  
  Igreja Nossa Senhora da Luz  
     
   
   
  Veneração Sta Helena  
  Ermida Sta Helena  
  A Imagem a Santa Helena  
  Santa Cruz de Ribamar  
  Um Lugar Encantado  
  Desenvolvimento Urbano  
  Destino de Veraneio  
  Vivência Estância Balnear  
  Massificação do Turismo  
   
  O Porto de St Denis  
   
  Igreja Nossa Sra da Luz  
  A Batalha do Vimeiro  
   
  Convento NSra Assunção  
  Ruínas do Convento Velho  
     

 

 
 

 

Copyright © 2005-07 Belenus, Lda